domingo, 11 de agosto de 2013

A red hot chilli pepper (parte II)

Este post sai hoje como homenagem pro meu pai (que é um grande fã de pimenta) e pro meu avô (que gostava muito de cuidar de plantas em casa).

Já faz algumas semanas que comi a Ghost Pepper (a que eu tinha comprado e falado em um post anterior - aqui) e tenho que dizer: nem foi tão traumático assim... Claro: eu tomei precauções!

Para comer a Ghost Pepper, eu fiz uma costelinha assada (sem fotos), acompanhada de geleia de abacaxi (também caseira).

Em uma porção dessa geleia, eu misturei a Ghost Pepper (mas só a polpa: retirei as sementes).

Sem as sementes e misturada com a geleia, dá para comer a Ghost Pepper sem traumas (até para quem não tem costume de comer pimenta).

Já a semente arde (e bastante, viu?): Passei o dedo em uma semente e lambi o dedo (sem a semente)... e minha língua começou a ficar dormente. Além disso, também tive que lavar a mão várias vezes, porque minha mão ficou com gosto picante por algum tempo depois... (não ardeu, nem machucou, nem queimou, nem nada, mas ficou com gosto picante).

E, depois da receita, as sementes foram para a terra e estão crescendo.

Só para terminar: feliz dia dos pais!

2 comentarios:

Guloso e Saudável dijo...

Bom dia Daniel,
O meu marido adoraria saborear essa pimenta, eu adoraria ter uma muda, vou procurar.
Boa semana, beijo,
Vânia

www.amsk.org.br dijo...

Por cá a pimenta de cheiro faz parte da nossa comida diária. É igualzinha, só muda a cor: verde e ou amarela. Nada de ardido, apenas o sabor.

Bom gosto dos homens dessa casa viu?

bjs nossos