miércoles, 31 de octubre de 2012

Massa de abóbora

Happy halloween!

Então.... obrigado a todo mundo que ainda tem paciência para entrar aqui de vez em quando e comentar e tudo mais.

Eu continuo correndo e muitas vezes fico devendo respostas e visitas e comenários... mas é a vida...

Aproveitando o halloween (sem mimimi cultural), e a partir da ideia de Pumpkin cinnamon rolls, do Foodwishes, fiz esta massa de abóbora (usando metade para fazer rolinhos e a outra metade para fazer tipo donnuts  assados).

Ingredientes
1 envelope de fermento biológico seco
3 colheres (sopa) de leite condensado
100ml de iogurte desnatado
100ml da água (utilizei a do cozimento da abóbora)
500g de abóbora (jerimum leite)
5 colheres (sopa) de açúcar
essência de baunilha
700g de farinha de trigo
100g de maisena

Mais:
manteiga, açúcar e canela



Preparo
Limpe, descasque e corte a abóbora. Cozinhe (em água pura mesmo) até ficar bem macia. Reserve 100ml da água do cozimento (até ficar morna).

Processe a abóbora (ou amasse, ou bata no liquidificador) até obter um purê homogêneo.

Misture as cinco colheres (sopa) de açúcar e gotas de essência de baunilha e leve ao fogo (para ficar com textura de purê mesmo). É possível colocar mais açúcar, mas, no meu caso, eu queria a massa apenas levemente adocicada.

Reserve o purê até ficar morno.

Antes de fermentar
Em uma vasilha, misture o fermento biológico e o leite condensado. Acrescente a água do cozimento da abóbora (importante esperar ela estar morna: se estiver quente demais, o fermento pode não funcionar). Deixe fermentar por 20min.
Já fermentada

Em uma vasilha grande (ou em uma superfície lisa - mas eu prefiro a vasilha porque faz menos bagunça), coloque 400g de farinha de trigo e acrescente a mistura fermentada, mais o iogurte.

Misture até incorporar totalmente a farinha aos ingredientes líquidos.

Acrescente o purê de abóbora (também enfatizo a importância de ele estar morno) e misture até a massa ficar homogênea.


Antes de fermentar

Acrescente o restante da farinha de trigo (300g) e a maisena (100g). Minha intenção era fazer uma massa mais macia (para uma massa um pouco mais firme, eu sugiro acrescentar mais 100g de farinha de trigo).

Já fermentado
Cubra a vasilha e deixe fermentar, até dobrar de tamanho (aproximadamente 30min).

A partir deste ponto, dividi a massa em duas partes. Da primeira, eu fiz rolinhos de abóbora com canela:


 Em uma superfície enfarinhada, abra a massa com o auxílio de um rolo 9também enfarinhado). Unte a massa com manteiga, açúcar e canela (quantidades a gosto), deixando uma borda limpa para fechar o rolo.




Enrole a massa, arrematando na parte limpa.


 Corte em fatias.


Organize as fatias deitadas em uma forma (deixe um espaço entre as fatias e reserve: a massa vai continuar fermentando até os rolos colarem uns nos outros.

Leve para assar em forno médio, pré-aquecido, por aproximadamente 25min (até a massa ficar dourada).






Da outra metade da massa, fiz algumas rosquinhas.





Separe porções de massa, polvilhe-as com farinha (para conseguir modelar). Faça uma bola de massa e abra um furo no meio. Ajeite em uma forma enfarinhada.


 Leve para assar em forno médio, pré-aquecido, por, aproximadamente, 25min.

Sobre alguns eu passei a mistura de manteiga, açúcar e canela. Sobre outros não. Fica a gosto mesmo.

A massa fica bem macia e com uma cor bem legal. E o melhor de tudo: a casa ficou com cheiro de canela!

:)




Bom apetite e... trick or treat!!
XD

miércoles, 24 de octubre de 2012

Angu (Polenta)

Eu cresci chamando esta comida de angu. Lembro que já era grandinho quando apareceu, pela primeira vez, a palavra polenta na minha vida (e lembro até de perguntar pra minha mãe qual era a diferença).

A gente acabava diferenciando o angu da polenta pelo acompanhamento - já que o preparo e os ingredientes são praticamente os mesmos.

Olhando agora, vi apenas que o nome polenta tem influência italiana e que o prato tem semelhantes em diferentes partes do mundo (sem grandes diferenças de um pra outro).

Ingredientes
ramos de alecrim
2l de água
250g de fubá de milho
sal, pimenta e outros temperos (a gosto)

Preparo
Faça uma infusão com os ramos de alecrim (em outras palavras: é como um chá - ferva a água com os ramos de alecrim). Na primeira foto, isso não parece tão convidativo, mas é uma forma de garantir que o angu (polenta) vai ficar bem temperado.

Eu fiz essa infusão na noite anterior. Então, quando fui dissolver o fubá (como mostra a foto à direita), o líquido estava frio. Há formas diferentes de misturar o fubá. O importante é não tentar dissolver o fubá diretamente em um líquido quente: ele empelota.

Tempere a água (sal, pimenta e outros temperos a gosto) e dissolva bem o fubá (com a água não quente).

Leve ao fogo alto, mexendo constantemente (para o fubá não formar pelotas).


À medida que a água for esquentando, ela vai ganhar espessura.

Quando ela começar a levantar fervura (como mostra a foto à esquerda), fique tranquilo(a): o fubá (polenta) não vai empelotar mais.

Aí vem a segunda preocupação: abaixe o fogo e tampe a panela! Isso é importante! Como a mistura é cremosa (e espessa), o ar esquenta no interior, forma bolhas, que estouram e podem causar queimaduras (que podem ser graves). Mantenha a panela tampada.

De tempos em tempos, desligue o fogo, aguarde alguns segundos, abra a panela e mexa o fubá (polenta). Isso vai minimizar riscos de queimaduras. Após mexer, volte a tampar a panela, re-ligue o fogo e deixe voltar a cozinhar.

Tempos:
- de quanto em quanto tempo mexer o fubá (polenta) enquanto ele cozinha?
- a cada dois ou três minutos - para evitar que o fundo queime.

- deixar cozinhar, ao todo, por quanto tempo?
- difícil responder. a única certeza que eu posso dar é: até antes de queimar. minha avó costumava cozinhar o angu (polenta) até ele ficar em ponto de brigadeiro (soltando com facilidade do fundo da panela), mas há quem goste do angu (polenta) mais mole (nesse caso, não precisa esperar até ele soltar do fundo da panela).

Quando o angu (polenta) estiver no ponto que você deseja. No meu caso, cozinhei até atingir o ponto de brigadeiro (como fazia minha avó). Na foto à direita, dá pra ver que, com isso, após esfriar, ele ficou em ponto de corte.

Confesso que desta vez até deixei o fundo da panela queimar um pouco - mas isso não foi intencional e, felizmente, não queimou tanto a ponto de o meu angu ficar com gosto de queimado. Por isso, nada de fotos (bom... e também não tirei fotos pelo fato de que se eu tentasse, eu certamente faria bagunça e provavelmente me queimaria).

Em seguida, vire o angu (polenta) em uma assadeira e deixe esfriar um pouco.

Desta vez, fiz acompanhado de um molho a bolonhesa e queijo parmesão ralado, mas também recomendo acompanhado de um molho de tomates com legumes (como fiz da última vez - que não cheguei a postar aqui, mas coloco uma foto agora).

E bom apetite!

lunes, 22 de octubre de 2012

Berinjela ao molho madeira

Meio que dando continuidade à receita anterior (de Foccacia de feijão fradinho): eu queria fazer um sanduíche de foccacia diferente. Tinha visto esta receita de Berinjela ao molho madeira no Gulosoesaudavel.com.br e pensei que seria um bom recheio para o meu sanduíche.

Mas eu queria substituir o frango (que a Vânia usou lá na receita dela). Inicialmente, pensei em usar abobrinha, mas acabei usando nabo.

Gostei da combinação molho madeira-berinjela (ideia do Gulosoesaudavel.com.br) e achei que não foi ruim tirar o frango. Outra alteração que fiz foi deixar a berinjela cozinhar no molho (que usei industrializado mesmo, só pra constar), em vez de refogar e depois acrescentar o molho (como eu estava fazendo os meus legumes em fatias, pensei que refogar antes de acrescentar o molho poderia quebrar toda a berinjela - o que atrapalharia na hora de eu montar meu sanduíche).

Ingredientes
600g de berinjela
300g de nabo
100g de champignon em conserva
340g de molho madeira
Pimenta-do-reino, cebola ralada, alho, sal e outros temperos (a gosto)

Modo de preparo
Higienize as berinjelas e os nabos. Corte-os em fatias finas e reserve (para as berinjelas não oxidarem, deixe-as de molho em uma solução de água com vinagre)


Em uma panela grande, refogue os temperos (cebola, alho, etc.) e acrescente o molho madeira e os champignons.

Junte o nabo e deixe cozinhar (no próprio molho) por 5min, mexendo sempre.

Em seguida, acrescente a berinjela e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando, com cuidado para não quebrar todas as fatias de berinjela.

Cozinhe por 5-10min (até a berinjela e o nabo estarem macios).

Para terminar: meu objetivo foi fazer essa berinjela para comer como recheio da foccacia, mas a mistura acompanha bem um arroz branco. E bom apetite!

jueves, 18 de octubre de 2012

Foccacia de feijão fradinho

Tem um tempo que vi esta receita no Nabiroskinha.com. Minha ideia foi testá-la usando feijão verde, mas não achei o feijão verde para comprar no dia que fui fazer a receita. Acabei optando pelo fradinho mesmo.

Assim como a Rachel, acabei fazendo essa foccacia bem tarde da noite (a correria nunca acaba). Ao contrário dela, no entanto, tive menos trabalho em retirar as cascas e os "olhos" do feijão: preferi bater bem e fazer com casca e tudo.

O resultado é bem interessante: fica macio, cresce bem e o gosto do feijão não fica marcante.

Ingredientes:
água
250g de feijão fradinho
1 envelope de fermento biológico seco
1 colher (sopa) de sal
2 colheres (sopa) de açúcar
2-3 colheres (sopa) de azeite
400g de farinha de trigo
sal grosso e ramos de alecrim (a gosto)

Modo de Preparo



Deixe o feijão fradinho de molho por, aproximadamente, 6h (ou de um dia para o outro), trocando a água na metade do tempo.

Bata-o no liquidificador (com água limpa) até obter uma pasta. Deixe descansar (para a decantar a mistura). Separe, aproximadamente 250g da pasta de feijão (o restante pode ser guardado para fazer um caldo posteriormente, por exemplo).






Em uma vasilha, misture os ingredientes secos (farinha, açúcar, fermento e sal). Acrescente a pasta de feijão fradinho e 1 colher (sopa) de azeite. Trabalhe a massa até ela se soltar das mãos.

Coloque a massa na vasilha e cubra-a. Deixe fermentar até dobrar de volume (dica importante é colocar a massa em um local morno e sem circulação de vento).









Em uma superfície enfarinhada (e com o auxílio de um rolo de massa, também enfarinhado), abra a massa e coloque-a em uma assadeira (também enfarinhada). Com os dedos, faça furos sobre a massa.




Utilize as folhas de alecrim para espalhar 1-2 colheres (sopa) de azeite sobre a massa (deixando folhas de alecrim sobre a massa). Polvilhe sal grosso sobre a massa e leve-a para o forno alto (pré-aquecido) até a foccacia dourar (aproximadamente 25-30min). Lembre-se de não abrir o forno com menos de 15min para não atrapalhar a fermentação.



Usei essa foccacia para fazer um sanduíche (com legumes ao molho madeira), mas posto isso depois.

Por enquanto, bom apetite com a foccacia!

À mesa

Saiu no Gulosoesaudavel.com.br uma versão do Pão de inhame daqui, mas com recheio de bacalhau.

Fica aqui a dica para quem quiser mais ideias e opções de recheios.

:)

sábado, 13 de octubre de 2012

Pão de milho

Ingredientes
300g de farinha de trigo
300g de milho verde (usei do congelado)
1 pacote de femento biológico (seco)
1 ovo
50-100ml de água
sal, alho poró, pimenta calabresa e outros temperos (a gosto)
fubá (o suficiente para enrolar os pães)

Preparo
Cozinhe o milho verde com o alho poró. Bata no liquidificador (bati grossamente, porque queria alguns grãos inteiros no pão).

Misture os ingredientes secos (farinha de trigo, fermento biológico, sal, pimenta). Acrescente o milho verde batido (ainda morno) e o ovo.

Acrescente água (aos poucos) até a massa ficar macia (coloquei um pouco a mais, até a massa ficar levemente pegajosa, porque queria o pão bem macio).

Tampe a massa e deixe-a crescer por 20-30min. Divida a massa e deixe-a crescer por mais 10min.

Em um prato, coloque o fubá (sem quantidade definida - apenas o suficiente para enrolar, como já mencionado). Enrole os pães no fubá (sem o fubá, eu não teria conseguido enrolar) e ajeite os pães em uma forma (como eles estão envoltos no fubá, é provável que eles não agarrem na forma - no meu caso, usei uma forma anti-aderente, de qualquer forma).

Deixe crescer por mais alguns minutos e leve para assar, em forno alto, por, aproximadamente 20min.

Sirva com fatias de queijo provolone, tomate seco, cebola caramelizada ou outros recheios de sua preferência.

E bom apetite!

miércoles, 10 de octubre de 2012

Sopa creme de couve-flor

Correria, correria e mais correria... assim sendo, um prato rápido (e um post também rápido)

Ingredientes
1,5kg (aproximadamente) de couve-flor
50g de linguiça calabresa (pouquinho mesmo, apenas para dar gosto)
temperos a gosto (utilizei sal, alho poró, salsão e noz moscada)
iogurte natural (para finalizar)

Higienize e cozinhe a couve-flor.

Passe a couve-flor (talos inclusive) em um processador ou bata no liquidificador, com um pouco de água, até obter um creme uniforme.

Em uma panela, refogue a linguiça calabresa (cortada em fatias finas) e os temperos (alho poró, sal e salsão).

Acrescente a couve-flor batida e misture bem.

Deixe levantar fervura e acerte o sal.

Na hoa de servir, acrescente uma colher de sopa de iogurte natural (já no prato) e rale noz moscada por cima.

E bom apetite!