lunes, 27 de agosto de 2012

Pizza alta de domingo

Assim como em outros fins de semana, neste passado fiz minha tradicional pizza alta de domingo.

A massa não teve alterações destacáveis em relação às pizzas feitas e publicadas aqui e aqui. O que mudou, basicamente, foi o recheio.

Desta vez, pimentões amarelos confitados (como os feitos aqui, apenas mudando de vermelho para amarelo) com queijo do reino.





E calabresa, com abobrinha e queijo parmesão. A ideia de colocar abobrinha na pizza veio deste post do Guloso e Saudável) e achei muito bom.

Para este recheio, fatiei tanto a calabresa quanto a abobrinha em fatias bem finas. Tostei levemente a calabresa (e retirei o excesso de gordura) e utilizei a abobrinha ainda crua (ela cozinhou enquanto a pizza assava).



Pra terminar, as fotos da pizza, ainda crua e já assada:




E ficam as sugestões. Boa semana e bom apetite!

Só pra constar, andei vendo The Weight of the Nation e estou tentando reduzir significativamente a quantidade de porcarias que eu como.... mas fim de semana pode comer pizza sem culpa, né?
XD

jueves, 23 de agosto de 2012

Mini-quibe de berinjela

Eu já tinha feito esta receita outro dia, mas apenas por fazer. E acabei fazendo de novo só pra postar aqui (mentira, eu fiz pra comer de novo e só aproveitei a nova leva para tirar fotos).

É uma receita bem simples e um bom aperitivo (pelo menos para mim). Pra quem tem resistência com berinjela, o gosto dela não fica marcado e a textura dela não aparece no meio do trigo para quibe.

 E, pra concluir, só faço essa receita assada. Nunca tentei fritar e não sei como seria o resultado. Se alguém tentar, me avise como fica.

Ingredientes
250g de trigo para quibe
300ml de água
temperos a gosto (sal, alho, pimenta, cebolinha, hortelã)
azeitonas verdes
600-700g de berinjela
limão e azeite (para servir).

Preparo
Após 40min (aprox) no forno
Coloque as berinjelas para assar (ainda com casca) até elas ficarem bem macias (e, consequentemente, cozidas). Acho interessante envolver as berinjelas em papel alumínio para acelerar o processo, mas é totalmente opcional.


Colocando o trigo para hidratar
(repare que o trigo não hidratado
mal chega até a metade da panela)



Enquanto isso, tempere a água (no meu caso, usei sal, pimenta do reino e alho) e aqueça-a. Temperar essa água é um passo importante da receita, pois é aqui que vai ser definido o gosto final do quibe.


Após acrescentar cebolinha e azeitona
(repare que o trigo hidratado
quase enche a panela)
Hidrate o trigo na água (ainda quente) e aguarde alguns minutos: o trigo deverá inchar e dobrar de tamanho. Neste ponto da receita, aproveitei para acrescentar a cebolinha picada e azeitonas verdes (usei 5), também picadas.



Utilize apenas a polpa

Quando as berinjelas estiverem assadas, corte-as ao meio e retire a polpa (que deverá sair com facilidade) com um garfo.



Trigo já misturado com berinjela



Descarte as cascas e misture a berinjela ao trigo imediatamente (para evitar que a berinjela oxide).


Mini-quibes já moldados
(só pra constar, a receita rendeu
duas formas desta)

Com as mãos, molde mini-quibes e ajeite-os em uma assadeira. Leve-os ao forno até a superfície ficar dourada e crocante.

Saindo do forno...
Sirva-os com limão e azeite e bom apetite!!

martes, 21 de agosto de 2012

Guacamole

Em geral, nós somos acostumados a comer abacate como uma fruta doce (apesar de o abacate não ter sabor doce) e muita gente por aqui torce o nariz para a ideia de comer uma salada, salgada, com abacate. Normalmente ficamos só nas vitaminas, ou servimos abacate com açúcar (ou, às vezes, açúcar e limão).

Pois bem... um tempo atrás, tinha um bolsista americano aqui e a namorada dele veio e achei legal levar os dois para uma sorveteria especializada em frutas do cerrado. Dentre os sorvetes disponíveis, lá estava o sorvete de abacate. E os dois ficaram assustados quando falei que era de abacate (e confirmaram se eu não estava me confundindo). Corajoso, esse bolsista comprou um de abacate e resolveu experimentar, fazendo, inicialmente, uma cara de nojo (depois ele gostou.... pelo menos disse que gostou...). E, para completar, quando falei que era comum, no Brasil, tomarmos vitamina de abacate ele concluiu com um: aí já é demais para mim.

Isso tudo para dizer: gosto é construído. Experimente uma salada salgada de abacate sem medo (neste exato momento, deve haver outros americanos por aí fazendo cara de nojo para a ideia de vitamina ou sorvete de abacate).

Ingredientes:
0,5 abacate
1 tomate
0,5 cebola roxa
0,5 pimentão verde
suco de limão (usei 2 limões, mas essa quantidade pode variar a gosto)
temperos a gosto (no meu caso, usei sal, azeite e cebolinha, mas é possível colocar coentro, hortelã, pmentas picadas, etc.).

Preparo
Pique o tomate, a cebola e o pimentão em cubos pequenos.

Eu também prefiro picar o abacate em cubos pequenos (há quem prefira amassar, mas eu prefiro picar).
Assim que picar o abacate, misture-o ao suco de limão: é uma fruta que oxida relativamente rápido e ela pode ficar preta, dando um aspecto não agradável para sua salada).

Misture todos os ingredientes (tomate, cebola, pimentão, abacate, suco de limão e temperos).

Teste o tempero e sirva com salgadinhos de milho (sem propaganda gratuita desta vez) e pimenta (servi com duas pimentas de que gosto bastante, sendo uma mais forte e outra não tanto) e bom apetite!

Coincidentemente, no post de hoje das meninas do Cozinhadosvurdons, também teve Guacamole. Vai aí o link para a versão delas, para quem quiser comparar.

miércoles, 1 de agosto de 2012

Desafio dos R$10,00: Pão Italiano Recheado

De novo, na ideia (que eu já tinha feito aqui) de fazer quatro porções de um prato, com um orçamento de até R$10,00 - só que desta vez, dentro de uma Blogagem Coletiva.

Para este pão italiano recheado, gastei, no supermercado, pouco mais de R$8,00. Para fins de acerto de contas, no entanto, considerei mais R$1,00 pelos temperos (alho, sal, cebolinha, etc) que eu já tinha em casa. Ainda aproveitei a folguinha no orçamento para acrescentar algumas colheres de milho verde congelado (que eu também tinha em casa) - acho que isso não configura como roubar, mas achei que valia a menção.

Com uma mexida aqui e outra ali no orçamento, daria para comprar um pão italiano já pronto - o que pode
até ser mais prático, mas definitivamente é menos divertido. O outro ponto seria que, normalmente, os pães italianos já prontos são enormes e eu queria porções individuais. Assim sendo, mão na massa (literalmente)

Ingredientes para o pão italiano Custo
500g de farinha de trigo R$1,20
1 envelope de fermento biológico R$0,78
1 colher (chá) rasa de sal R$0,00
Água morna (200ml) R$0,00
TotalR$1,98

Misture os ingredientes secos: a farinha de trigo, o fermento biológico e o sal.

Acrescente a água morna - desta vez, medi e usei 200ml (mas não custa lembrar que essa quantidade pode variar, dependendo da farinha usada) - e mexa, com uma colher, até formar pequenos bolinhos, como na foto à esquerda.


Nessa hora, comece a misturar a com as mãos até obter uma massa uniforme, lisa e que se solta facilmente das mãos.

O pão italiano é mais massudo mesmo - tanto que ele consegue segurar caldos e sopas sem desmanchar (pelo menos por algum tempo), então, se a massa estiver lisa, uniforme e se soltando facilmente das mãos, provavelmente não há necessidade de acrescentar mais água.

Faça uma marca (no meu caso, um X) na massa, para acompanhar o crescimento. Cubra a massa e deixe-a descansar por 20-30min.

Depois que a massa tiver crescido (repare, à esquerda, como ficou o X que eu havia feito), corte-a em quatro partes.

Faça bolinhas individuais e deixe a massa crescer por mais 20-30min.

Quando a massa tiver crescido, faça leves cortes (em formato de quadrado) na parte superior da massa.

O ideal seria deixar crescer mais 5-10min depois disso, mas não deixei. e os cortes (dos quadrados) não ficaram exatamente como eu queria (nos pães assados).

Leve ao forno máximo, pré-aquecido, por, aproximadamente, 30min (até os pães ficarem dourados). Evite abrir a porta do forno muitas vezes (pois isso pode atrapalhar o crescimento).

Depois de assado, corte a tampa do pão e, com o auxílio de um garfo, retire o miolo - e está pronto para rechear.

Como eu já mencionei, o pão italiano é meio massudo mesmo. Depois de frio, ele tende a ficar mais duro - então, se não for consumir na hora, vale a pena congelar e recolocar os pães (já assados) no forno na hora de utilizar.



Ingredientes para o recheio Custo
350g de vagem fina R$2,89
200g de patinho (cortado em tiras finas) R$3,25
Sal, alho, cebolinha e outros temperos (a gosto) R$1,00
1 colher (sopa) de farinha de trigo R$0,00
1 colher (sopa) de óleoR$0,00
Total R$7,14




Tempere os cortes de patinho com alho e sal. Doure-os em uma panela até formar essa camada (que minha mãe costumava chamar de borra e eu não sei termo melhor) no fundo da panela. Reserve a carne.

Acrescente, nessa panela, a cebolinha (utilizei meio molho, aproximadamente) e uma colher de farinha de trigo. Mexa bem.

Acrescente água (aos poucos). As fotos dessa etapa não ficaram boas, mas, com isso, você consegue um caldo de carne espesso e saboroso.

Higienize as vagens e corte-as em três partes.

Acrescente as vagens ao caldo e deixe-as cozinhar até elas começarem a ficar macias.

Incorpore a carne (que havia sido reservada) e, como eu mencionei, algumas colheres de milho verde (é opcional, não está nos ingredientes previstos na receita e nem no orçamento - mas eu já tinha em casa e achei que poderia usar, aproveitando que eu tinha quase R$1,00 de folga)

Prove (para ver se as vagens e a carne estão cozidas e temperadas) e acerte o sal, se necessário.

Com o auxílio de uma colher, sirva porções dessa vagem com carne dentro do pão italiano (lembrando de pegar um pouco do caldo que fica no fundo da panela - porque faz bastante diferença).

Enfeite com cebolinha, sirva quente e bom apetite.

PS: eu sei que na foto fica parecendo uma porção pequena, mas, acredite em mim, não é!