sábado, 30 de junio de 2012

Sopa creme de abóbora (jerimum)

A partir de um mesmo peito de frango, foram três receitas. A primeira foi este caldo de frango (que, como eu disse, pode ser usado em sopas, cremes e outras receitas), a segunda foi este Frango com gorgonzola e, por último, esta sopa creme de abóbora (ou jerimum, como o pessoal daqui costuma chamar).

Aliás, esse creme branco por cima da sopa creme foi roubado do Frango com gorgonzola (e combinou bem com a sopa creme)... só ficou faltando cheiro verde por cima (mas eu não tinha em casa e não queria sair para comprar).
Ingredientes
1kg de abóbora (jerimum) sem casca ou sementes, cortada em cubos
caldo de frango (suficiente para cobrir a abóbora - se necessário, acrescente água)
sal, pimenta calabresa, alho poró (a gosto)




Cozinhe a abóbora no caldo de frango (até ela ficar bem macia/cozida).




Quando a abóbora estiver bem cozida, bata-a no liquidificador (ou processador) até obter um creme liso e uniforme.
Na panela, refogue levemente o alho poró (ou cebola ou outros temperos), despeje a abóbora, já processada e deixe ferver por alguns minutos. 

Acerte o sal (e, no meu caso, a pimenta calabresa) e sirva.

Caso você não tenha feito um Frango com gorgonzola, como foi o meu caso, eu sugiro fazer um creme de iogurte com gorgonzola para complementar o caldo.

Sirva quente e, de preferência, acompanhado com um pouco de cheiro verde (sem preguiça de sair de casa para comprar).

E bom apetite!

viernes, 29 de junio de 2012

Caldo de frango

Como eu mencionei nesta receita, é possível fazer caldo de frango em casa e fugir dos industrializados.

Usando os ossos de um peito de frango (ou mesmo de um frango assado), faça o seguinte:

Em uma panela bem quente, doure os ossos (caso eles estejam crus).

Normalmente eu não uso óleo (mas há quem use). Repare na foto ao lado que, mesmo não usando óleo, se forma uma camada de gordura no caldo final (essa camada pode ser retirada, depois de fria, caso você queira).

Acrescente temperos a gosto (alho, sal, pimenta, alho poró, cebola, salsão, etc. - no meu caldo, em específico, usei cebola e alho) e continue mexendo.

Acrescente água morna, aos poucos e vá deixando ferver (com isso, você vai conseguir bastante do gosto do frango no seu caldo). Prove o sal. Desligue o fogo e descarte os ossos (caso haja pedaços de frango no osso, deixe descansar e retire esses pedaços - na foto, dá para ver alguns pedaços de frango no fundo do meu caldo).

Esse caldo pode ser usado para fazer molhos, sopas ou outros pratos (substituindo o caldo industrializado).
Use-o com criatividade!
XD

Frango ao molho de gorgonzola

 A história da minha vida:

- O que vamos fazer hoje a noite Cérebro?
- A mesma coisa que fazemos todas as noites, Pinky: terminar de escrever o artigo...


Ingredientes
1 peito de frango
50-75g de queijo gorgonzola
200ml de creme de leite
sal, pimenta e outros temperos (alho poró, cebola, alho, salsão) a gosto

Sugiro comprar o peito de frango ainda com osso: é mais barato e você pode usar o osso para fazer um caldo de frango (que pode ser usado para fazer caldos, sopas, risotos ou outros pratos, substituindo o caldo de frango industrializado).

Desosse o peito de frango - caso não saiba como, aí vai um vídeo explicativo:

Como já mencionei, os ossos você pode pode reservar e usar para fazer caldo (já a pele e o excesso de gordura eu sugiro descartar mesmo).

Pique o peito de frango em cubos médios e tempere-o (no meu caso, usei alho poró, pimenta do reino e sal - a gosto).

Aqueça bem uma panela (de preferência uma panela grande: quando você coloca muito frango em uma panela pequena, a tendência é ele soltar líquido - o que pode levar a carne a ficar com uma textura não tão boa).

Doure os cubos de frango (normalmente, eu evito usar óleo, mas há quem prefira usar). Caso sua panela seja pequena para a quantidade de frango que você está preparando, divida os cubos em porções e doure-os aos poucos.

Quando os cubos estiverem levemente dourados por fora (não deixe tostar, apenas doure levemente - caso queira, corte um dos cubos de frango para ver se ele está cozido por dentro), acrescente o queijo gorgonzola, picado, mexendo bem para ele espalhar bem pelo frango.

Acresce o creme de leite, mexa bem. Teste o sal e sirva ainda quente (no meu caso, acompanhado de arroz negro e uma salada de alface).

E bom apetite!

Em tempo, segue um link com dicas de preparo de arroz negro.

jueves, 21 de junio de 2012

Conchiglioni recheado com purê de ervilhas

Este foi para levar para o trabalho - para confraternizar com o pessoal. Por isso, não tenho fotos do prato final (depois de assado e servido).









Ingredientes para o molho branco
0,5 colher (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de manteiga
0,5 cebola média (picada)
sal e pimenta do reino (a gosto)
0,5 colher (sopa) de farinha de trigo
leite

Em uma panela, aqueça o azeite e a manteiga e frite a cebola (até ela começar a ficar transparente). Acrescente sal e pimenta do reino (a gosto) e polvilhe a farinha sobre a cebola. Mexa bem (para que a farinha doure e não empelote). Aos poucos, acrescente o leite, mexendo bem (para que não empelote).

Usei, aproximadamente, 200ml de leite nesta receita (mas essa quantidade pode variar, caso você prefira um molho mais denso ou mais ralo).



Ingredientes para o purê de ervilhas
1-2 colheres (sopa) de manteiga
3-4 dentes de alho
sal e pimenta do reino (a gosto)
2 pacotes (300g) de ervilhas congeladas (não use ervilhas em conserva - o resultado não fica nem parecido)
1 colher (sopa) de queijo gorgonzola

Em uma panela, derreta a manteiga e frite, levemente, o alho (não é necessário deixar dourar). Acrescente o sal e a pimenta (a gosto) e as ervilhas congeladas (nem precisa deixar descongelar antes). Mexa bem, para que toda a ervilha entre em contato com o tempero.

Quando a ervilha estiver cozida, bata-a em um liquidificador ou processador de alimentos) até conseguir a consistência de um purê. Acrescente o queijo gorgonzola (apenas uma colher, para saborizar).

Reserve.

Para a massa
250g de conchiglioni (pasta grano duro - que é uma massa que demora um pouco mais a cozinhar e fica mais naturalmente al dente quando pronta)
2,5-3 litros de água

Antes de começar a preparar, eu recomendo contar as conchas de massa, arranjando-as ainda cruas, na forma, para saber com mais precisão quantas usar.

Ferva a água (com a panela tampada, para conseguir uma temperatura um pouco mais elevada). É possível colocar um pouco de azeite, sal e até mesmo alguns dentes de alho ou outros temperos nessa água.

Coloque a massa na água fervente e cozinhe por 7min (mexendo de vez em quando, para a massa não grudar). Optei por 7min porque deixei a massa, já montada,  na geladeira, da noite para o dia e não queria que ela ficasse muito mole na hora de servir (no dia seguinte). Se eu estivesse fazendo para comer na hora, provavelmente eu cozinharia por 9min.

Escorra a massa mas NÃO descarte a água: essa água do cozimento tem amido e pode ser usada para engrossar o molho de tomates, indicado a seguir:


Ingredientes para o molho de tomates
0,5 cebola média
1 lata de tomates
sal, pimenta do reino e outros temperos (a gosto)
água do cozimento da massa

Gosto de usar esses tomates sem pele, conservados em suco de tomate. Eles são vendidos em latas e são relativamente fáceis de encontrar (e costumam custar quase a mesma coisa que um molho de tomates industrializado). Eles não exigem horas de cozimento (para conseguir um molho de tomates leve).

Este é um molho bastante básico: doure a cebola na panela, tempere a gosto e despeje os tomates (picados grossamente). Mexa, acrescente a água do cozimento da massa (como eu disse, essa água tem amido, o que ajuda o molho a ficar mais espesso). Prove o tempero e utilize


Entre esta primeira foto...

...e esta segunda, 15min se passaram
Para a montagem final
Faça uma camada de molho branco no fundo da forma (isso vai ajudar a fixar o conchiglioni na forma). Também coloquei queijo parmesão ralado por cima do molho (não mencionei o queijo em outras partes desta receita, mas usei, ao todo, menos de 100g.)

Recheie o conchiglioni com o purê de ervilhas (sim, é necessário fazer um a um, mas esse trabalho é rápido: considerando o horário da foto em que eu havia recheado apenas o primeiro e o horário da foto em que eu já havia recheado todos, gastei 15min para completar a forma - e dá para ser mais rápido, mas eu não estava com pressa) e aranje-os na forma.

Cubra a massa, já recheada, com o molho de tomates.

E rale um pouco mais de queijo por cima da massa (usei parmesão, mas é possível usar outros queijos, como a tradicional mussarela).

Como eu disse antes, essa massa ficou da noite para o dia na geladeira porque fiz para levar para o trabalho  - mas esse passo não é necessário (no entanto, caso você esteja fazendo para servir no mesmo dia, sugiro aumentar um pouco o tempo de cozimento da massa).



Leve ao forno antes de servir, por, aproximadamente 15min (considere o tempo de aquecer a massa, o molho e o recheio). E bom apetite!

sábado, 16 de junio de 2012

Pimentão vermelho confitado


Como eu disse na receita do tomate seco, eu estava assando uma carne e aproveitei o calor do forno para fazer outras receitas.

A dica só serve para receitas que não exigem que o forno fique fechado (jamais tente fazer um bolo ou uma massa fermentada e, ao mesmo tempo, outra receita que implique abrir a porta do forno: atrapalha a fermentação e não fica legal).

Eu já tinha planos de assar a minha carne, quando vi uns pimentões muito bonitos no supermercado - e já comprei de caso pensado.

As quantidades de ingredientes nesta receita não fazem muita diferença (o mesmo procedimento pode ser feito com quantidades maiores ou menores e os temperos são a gosto).

Lave os pimentões e ajeite-os em uma forma refratária (no caso desta fornada, parti os pimentões na metade - para caber no forno - antes de colocar na forma).

Leve os pimentões ao forno (em temperatura baixa) por, aproximadamente 1h (ou até as cascas deles ficarem bem enrugadas - como na foto à esquerda).

Retire os pimentões do forno e deixe esfriar (há quem coloque em sacos plásticos para facilitar na hora de retirar a casca, mas desta vez, não retirei).

Quando eles estiverem frios, retire as cascas (com a mão mesmo - elas vão soltar com bastante facilidade)

Pique os pimentões (da forma como preferir, desta vez eu piquei em tiras).

E armazene os pimentões em um vidro (apesar de eu ter usado um pote de plástico).

Cubra os pimentões com azeite temperado a gosto (no meu caso, sal grosso, orégano e alho).

Dá para fazer a mesma receita com pimentões amarelos (parece que com pimentões verdes não fica bom - nunca testei).

A foto lá em cima é uma sugestão de uso: macarrão gravatinha com pimentões vermelhos e amarelos confitados, azeitonas pretas e um pouco de cebolinha picada.

Referências: Gourmetglutao

Macarrão sertanejo

Este post não é propriamente uma receita, mas uma sugestão de combinação com macarrão (usando o tomate seco que fiz outro dia): macarrão sertanejo (mas sem  associação com a música sertaneja - só para constar).

Comi um macarrão parecido com esse em um restaurante em Campina Grande (La Suissa, que eu recomendo pra quem tiver oportunidade) e como tinha os ingredientes em casa, acabei testando:

Macarrão, com carne desfiada, tomate seco, banana dourada na manteiga e queijo (no meu caso, provolone).

Não tem muito o que explicar do preparo do prato (basicamente é cozinhar o macarrão e misturar os ingredientes).

O tomate seco eu já expliquei anteriormente (aqui), a banana basta cortar e dourar na manteiga, a carne pode ser uma carne assada desfiada (ou carne seca, dessalgada e desfiada) e o queijo ralado (eu sugiro um de sabor marcante, como provolone).

Bom apetite!


martes, 12 de junio de 2012

Tomate seco

O preparo de tomates secos é bem simples e requer apenas paciência - e é uma boa desculpa para fazer outras coisas (preferencialmente não doces) no forno: são horas assando em forno baixo, sem a necessidade de manter a porta fechada.

No meu caso, eu estava assando uma carne (em forno baixo) por 6h e aproveitei parte desse tempo (e o calor do forno) para fazer tomates secos e pimentões confitados (que ficam para outro post).


Eu, particularmente, costumo tirar aquele pontinho onde ficam os talos do tomate (tiro porque cresci vendo minha mãe tirar, mas não conheço nenhuma outra razão para isso além do hábito). Há quem tire as sementes para fazer os tomates secos (o que já fiz algumas vezes), mas desta vez, optei por fazer com semente mesmo.

Ingredientes
10 tomates italianos (aquele mais comprido)
25ml de vinagre
50ml de azeite
25-50ml de água
sal (a gosto)
3-4 colheres (sopa) de açúcar
outros temperos (como orégano e pimenta do reino, por exemplo, a gosto)

Lave os tomates e corte-os na metade (em sentido longitudinal).


Ajeite os tomates em uma forma refratária com a parte das sementes virada para cima.

Faça uma mistura com a água, o açúcar, o azeite e o vinagre e regue os tomates com essa mistura.

As quantidades de cada ingrediente podem variar - o que vai ter impacto no final da receita: se prefere tomates levemente mais ácidos, aumente o vinagre, se prefere mais adocicados, aumente o açúcar - tudo questão de gosto mesmo. Sugiro também espalhar alguns dentes de alho (com casca e tudo) na forma antes de ir ao forno.


Leve a forma ao forno baixo (em temperatura mínima) por, aproximadamente, 1h30 (vale a pena dar uma olhada no tomate, de tempos em tempos, para garantir que o forno não está alto e ele está queimando).

Retire a forma do forno e vire os tomates (coloque-os com as sementes viradas para baixo) e coloque a forma de volta no forno (ainda em temperatura mínima) por, aproximadamente, 40min. (deixei menos tempo porque prefiro os tomates ainda com alguma umidade, mas é possível deixar mais, caso prefira  que eles fiquem mais secos mesmo).

Retire os tomates do forno e armazene-os em um pote (normalmente de vidro, apesar de eu ter usado plástico). Quando os tomates estiverem mornos, regue-os com um pouco de azeite e guarde-os.

O azeite serve para conservar os tomates por mais tempo (o que costuma dispensar o armazenamento em geladeira). Como eu não fiz uma quantidade tão grande, e como eu ainda deixei o tomate mais úmido, e como eu não coloquei azeite até o topo do pote, preferi guardar em geladeira mesmo.

Esses tomates podem ser usados como aperitivos ou para fazer receitas (como foi meu caso).

Seja como aperitivo, seja como parte de um prato: bom apetite!