lunes, 30 de abril de 2012

Quibe de ricota recheado com alho poró

Uma das ideias que eu mais gostei nos últimos tempos foi o requeijão de ricota do Gulosoesaudavel.com.br (tanto que já usei ela aqui e aqui - para citar apenas dois exemplos que foram publicados aqui no blog).

Desta vez, usei o creme para fazer um quibe de ricota (eu já havia feito quibes de ricota antes, mas usando a ricota apenas processada - gostei mais do resultado do quibe feito com esse creme porque ficou mais homogêneo)

Ingredientes para a massa do quibe

250g de trigo para quibe
sal, pimenta do reino e lâminas de alho (a gosto)
300ml de água fervente
300g de ricota
0,5 xícara (chá) de leite fervente

Para o recheio/cobertura
200g de alho poró
2 colheres (sopa) de manteiga
sal e pimenta do reino (a gosto)

Misture o trigo (ainda seco) aos temperos - tendo em mente que o segredo para um bom quibe está em temperar bem o trigo.

Hidrate o trigo com a água fervente e deixe-o descansar (para que ele absorva a água). Várias receitas tendem a usar mais água e a dizer para drenar o excesso - eu costumo usar menos água para pular essa etapa.

Enquanto o trigo absorve a água, no liquidificador, bata a ricota (cortada em cubos pequenos) com o leite fervente - inicialmente por 4min em potência máxima e depois por 1min em potência baixa. Com isso, você terá um creme de ricota (como o já usado em outras receitas).

Misture o trigo (já hidratado) à ricota (já batida) até obter uma mistura homogênea e firme.

Arranje metade da massa do quibe em uma forma.

Em uma panela, derreta a manteiga e doure (levemente) o alho poró. Mexa bem (para que não queime) até que ele fique macio. Tempere com sal e pimenta do reino (a gosto).

Arranje o alho poró sobre a metade da massa de quibe de ricota e, por cima do alho poró, arranje a outra metade da massa de quibe.

No meu caso, ainda fiz um creme de cebola para cobrir o quibe (mas acho melhor deixar esse creme de fora da receita - para não assustar os que não são tão fãs de cebola quanto eu).

XD

e bom apetite!

sábado, 28 de abril de 2012

Peixe na crosta de quinua & Cottage Fries


Semestre corrido este, viu?

Continuar cozinhando eu continuo normalmente (dentro do possível, pelo menos). Continuar vendo receitas de outros blogs eu continuo (apesar de estar difícil comentar).

Já o tempo para planejar receitas e testar coisas novas está cada vez mais escasso.

Acabo investindo mais em receitas já testadas e fazendo receitas de outros blogs que me parecem rápidas (e o tempo para fotografar e postar só diminui).

Aqui foi uma combinação do Peixe na crosta de quinoa (do NaBiroskinha) e Cottage Fries (do FoodWishes), ambos com pequenas (bem pequenas) modificações.

Para o peixe na crosta de quinua:
1 posta de cação
1 ovo batido
queijo ralado (usei Saint Paulin)
50g de quinua (cozida em água por, aproximadamente, 7min.- até os grãos dobrarem de volume)
sal, pimenta do reino (a gosto)

Tempere a posta de cação com sal e pimenta.

Passe a posta (já temperada) no ovo batido, no queijo e, por último, na quinua.

Aqueça uma frigideira anti-aderente e frite um dos lados da posta (não há necessidade de acrescentar óleo, mas, para quem prefere, é possível usar um pouco de manteiga - apenas para saborizar).

Quando o primeiro lado estiver frito e firme (levante parcialmente a posta e verifique como está), vire a posta (com cuidado para a quinua não desmontar toda a crosta).

Dependendo da altura da sua posta, o tempo na frigideira pode não ser suficiente para cozinhar o interior da carne. Se você estiver usando uma posta mais alta, após passar o peixe na frigideira, leve-o ao forno (já aquecido) até acabar de assar o centro.

Caso a posta não seja tão alta, o tempo de frigideira já deve ser suficiente para cozinhar o peixe.

Para acompanhar, sugiro cottage fries (a receita original é apenas com batatas, mas usei algumas cenouras também).

Ingredientes:
Batatas
Cenouras
temperos (a gosto - no meu caso foram: sal, páprica picante, salsa e alguns dentes de alho)
azeite

Esta receita não tem muitas medidas. Basicamente, todas as quantidades são a gosto.

Corte as batatas (e as cenouras) em fatias largas e tempere-as (misturando bem com todos os temperos e o azeite).

A ideia é levar as batatas ao forno, virando os lados, até que elas fiquem sequinhas por fora e bem cozidas por dentro (parecendo que foram fritas). Como eu não teria tempo para ficar virando as batatas (e as cenouras), cortei as fatias pela metade, de forma que elas ficassem de pé na forma e o ar (do forno) pudesse circular em torno delas.

Como coloquei os dentes de alho e as cenouras junto, minha única preocupação foi com os tempos de cozimento diferentes de cada um (o alho leva menos tempo para assar que as batatas e se você simplesmente deixar ele lá dentro, ele vai queimar e pode deixar um gosto amargo no restante da comida).

Sirva ainda quente e bom apetite!

domingo, 15 de abril de 2012

Pizza alta nos domingos

Em BH, na terceira gaveta da pia, eu tinha milhões de telefones de tele-pizza: a mais barata, a com mais opções de recheios, a mais gostosa (e mais cara), a que tinha promoção do refrigerante e assim por diante.

Em Jampa, ainda não conheço tantas opções de tele-pizza (na verdade, só conheço uma, que até é gostosa, mas que não compensa por ser muito cara).

Nas últimas semanas, acabei optando por fazer pizza em vez de tentar encontrar opções de tele-pizza: sim, demora um pouco mais, não tem promoção com refrigerante, mas também não tem acréscimo pelo queijo extra, nem discussão porque a pizza chegou toda virada na caixa.

Em tempo... tive que descer até a portaria, cruzei com uma vizinha no elevador, ela sentiu o cheiro da pizza (sem saber que vinha da minha cozinha) e comentou "hummm... cheiro bom... alguém está fazendo comida". \o/

Ingredientes para a massa
400g de farinha de trigo
1 envelope (10g) de fermento biológico
Detalhe da massa ainda crua
4 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de azeite
0,5-1 colher (sopa) de sal
orégano (a gosto)
água morna

Preparo:
Misture todos os ingredientes secos (farinha de trigo, fermento, açúcar. sal e orégano - sim, eu coloco o orégano na massa). Acrescente o azeite.

Misture a água morna aos poucos (não há uma medida exata - a quantidade de água depende da qualidade da farinha), até a massa estar homogênea e lisa, soltando das mãos com facilidade.

Deixe a massa crescer por, aproximadamente, 30min - ela deverá dobrar de tamanho nesse tempo.
Pizza com massa alta

Polvilhe farinha sobre uma superfície lisa, coloque a massa sobre a farinha e polvilhe farinha sobre a massa. Com um rolo (também polvilhado com farinha), abra a massa até ela ficar com, aproximadamente, 1 dedo de altura.

Frango com acelga e queijo Saint Paulin



Ajeite a massa na forma e deixe-a descansar por, aproximadamente, 20min.

Meia calabresa picante, meia tomate com alho poró
Como minha intenção era fazer uma pizza com massa alta, usei uma forma com fundo removível e abri a massa até ela ficar um pouco maior do que o fundo da forma. Ao montar a forma, dobrei as bordas nos lados (formando a massa alta).

O recheio fica a gosto de cada um. Eu, pessoalmente, aproveito para tentar acrescentar alguns ingredientes com mais fibra (como acelga picada, brócolis, ervilhas congeladas, milho congelado - nesses dois últimos casos, prefiro evitar as latinhas de conservas e usar os congelados, que são mais saborosos e têm menos conservantes - etc.).

Nas duas últimas semanas, foram: frango com acelga e queijo Saint Paulin; alho poró com tomates; e calabresa picante com cebola e ervilha.

No mais, bom apetite e boa semana!

Fatia de pizza de calabresa picante

miércoles, 11 de abril de 2012

Cheesecake aerado

O pedido foi bem específico: cheesecake com o recheio mais aerado. Então, logo antes de servir, já fui avisando: pra quem prefere o recheio mais massudo, a intenção foi fazer aerado mesmo!

XD

Para trabalhar a base, em vez da tradicional massa de biscoito Maria (ou de farinha láctea, como fiz nesta Lemon pie), optei por uma base de biscoito Negresco (ah... é bom e merece propaganda gratuita). A base não ficou crocante, mas o gosto me agradou. O recheio do biscoito foi descartado para esta receita (imagino minha mãe pensando: "quando ele era criança, eu briguei até não poder mais para ele parar de comer só o recheiio e deixar os biscoitos no pacote, agora ele usa só o biscoito e joga o recheio fora... onde eu errei?")

Ingredientes para a base
2 pacotes de biscoito negresco (sem o recheio
1-2 colheres (sopa) de manteiga (em temperatura ambiente)

Triture os biscoitos e misture a manteiga.

Pressione a crosta de biscoitos no fundo de uma forma anti-aderente (no meu caso, de fundo removível) e leve ao forno por 15-20min para que a massa se consolide.

Retire do forno e reserve.


Ingredientes para o recheio
500g de ricota
1 xícara de leite (fervente)
1 lata de creme de leite (sem soro)
100ml de iogurte natural (desnatado)
3 ovos
essência de baunilha
1 pitada de sal
100g de açúcar



O princípio básico do recheio foi o requeijão de ricota light do Gulosoesaudavel.com.br (que eu fiz outro dia e publiquei aqui). Desde a primeira vez que vi essa receita, pensei "tá aí uma boa base para um cheesecake".

Antes de começar a preparar o recheio, misture o creme de leite sem o soro com o iogurte e reserve.

Pique a ricota em cubos pequenos e bata-a no liquidificador com o leite fervente (inicialmente bata por 4min na velocidade máxima e, em seguida, bata por 1min, em velocidade baixa) - o resultado será um creme liso e consistente.

No liquidificador, acrescente (à ricota batida com leite) as gemas dos três ovos (reserve as claras), a essência de baunilha, o açúcar e a pitada de sal. Bata até obter uma mistura homogênea.

Em seguida, acrescente (à mistura no liquidificador) o creme de leite misturado com iogurte (depois de reservada por alguns minutos, essa mistura fica bem consistente e firme).

Por último, bata as 3 claras em neve e incorpore-as à mistura (desta vez, sem usar o liquidificador: o ideal é misturar com um foue, em uma vasilha grande, mexendo levemente (para incorporar as claras sem perder o ar que elas acumularam quando foram batidas em neve).

Despeje essa mistura sobre a crosta (no meu caso, de negresco) e leve ao forno médio por, aproximadamente 35-45min.

Não sei se dá para perceber na foto, mas a beirada começou a ficar corada e o meio permaneceu bem branco - o ideal, para mim, é não deixar dourar demais; senão as beiradas ficam ressecadas - para ter certeza de que o meio estava cozido, fiz o famoso teste do palito: espetei um palito próximo ao meio do cheesecake e ele saiu limpo (sem pedaços do recheio).

Desligue o forno e deixe o cheesecake esfriar dentro do forno. Quando estiver frio, leve para a geladeira.

Sirva gelado e com geleias e caldas para acompanhar (no meu caso, servi com uma calda de damasco, uma de maçãs e com geleia de blueberry... a gosto de cada um que se serviu).

E bom apetite!

martes, 3 de abril de 2012

Uma desculpa para comer Bredo

Estava eu no supermercado, quando vejo um ramo bonito de folhas. Paro uma moça que está perto e pergunto:
"Desculpa, você conhece esta folha?"
Com um certo espanto (meio tentando entender a abordagem e a pergunta), a moça respondeu:
"Conheeeeeeço"
"E prepara normalmente? Refogado mesmo?"
Aí, percebendo que eu só estava perguntando de verdade, a moça começou a responder de verdade (aliás, não apenas responder, como chamar outras pessoas para me explicar sobre o bredo... E de repente, me vi no centro de uma rodinha de pessoas conversando sobre bredo).
Na foto não é tão bonito quanto pessoalmente

As moças me explicaram que é preciso escaldar o bredo antes de cozinhar (porque ele baba... não que eu ligue... eu sou mineiro, gosto de ora-pro-nobis e quiabo), mas já que me mandaram escaldar o bredo antes de cozinhar, eu obedeci.

Também me sugeriram fazer o bredo no coco (o que eu entendi como sendo no molho de tomate com leite de coco).

Na hora que fui passar o bredo no caixa, ainda teve toda uma confusão para conseguir o código do bredo e o moço do caixa, tentando explicar para outro funcionário, para conseguir o código, falou: é uma folha, pra dar um gosto no peixe...

Somando as opiniões e os depoimentos, acabei fazendo esta posta de cação na cama de capelini, ao molho de tomate com leite de coco, com bredo (ou, para simplificar, uma desculpa para comer Bredo).

Ingredientes

4-5 ninhos de macarrão capelini quebrados
sal e páprica picante (a gosto)
1 colher (chá) de óleo

1 posta de cação
sal e pimenta do reino (a gosto) para temperar o peixe

1 cebola média, cortada em meia-lua
3 tomates (em lata) cortados em cubos grandes
100ml de leite de coco
sal (a gosto)

0,5 maço de bredo

Comece tostando (levemente) o capelini: Em uma assadeira, misture o capelini (já quebrado), o sal (usei uma pitada), a páprica (usei duas pitadas) e o óleo e leve o macarrão ao forno pré-aquecido, até ele ficar dourado. Reserve o macarrão.
Antes (apenas misturado com a páprica, o sal e o óleo)
Depois de tostado no forno (sim, troquei a forma)











Em seguida, sele a posta de cação: tempere o peixe com a pimenta do reino e o sal (há quem prefira colocar o sal apenas após levar ao fogo) e doure os dois lados da posta em uma frigideira anti-aderente (não precisa deixar cozinhar; a intenção é apenas fazer com que os dois lados do peixe estejam cozidos o suficiente para que o peixe não perca água quando for ao forno). Reserve o peixe.
Antes (apenas temperado com sal e pimenta)
Depois (selado na frigideira)












Faça o molho de tomates com leite de coco: Na mesma frigideira em que o peixe foi selado (sem lavar a frigideira, para incorporar o gosto do cação ao molho), refogue os tomates e a cebola até a cebola ficar macia. Acrescente o leite de coco e experimente o sal. Reserve o molho.

Antes
Depois (na hora de misturar o leite de coco)













Escalde o bredo: Retire os caules do bredo (use apenas as folhas... não sei se os caules são comestíveis e, se forem, não sei se são bons... mas as moças do supermercado foram bastante específicas para eu usar só as folhas). Lave as folhas e coloque-as em um escorredor. Desepeje água fervente sobre as folhas (segundo as moças, isso evita que o bredo comece a soltar baba).
Antes de escaldar
Depois de escaldar
(pena que não dá para manter o verde natural bonito do bredo)














Monte o prato:
Faça uma cama com o capelini e despeje o molho sobre o capelini, de modo que quase todo o macarrão seja misturado a uma parte do molho (digo quase todo porque acho interessante deixar as bordas da travessa com o macarrão seco, para que ele fique crocante quando o prato estiver pronto).
Ajeite o peixe na travessa e, por fim, ajeite o bredo e cubra a travessa com papel alumínio.




Leve a travessa ao forno para acabar de cozinhar o peixe (no meu caso, foram, aproximadamente 10min, mas esse tempo varia dependendo da espessura da posta).

Também tentei fazer um arroz vermelho para acompanhar, mas não ficou pronto a tempo....

No mais, bom apetite!

domingo, 1 de abril de 2012

Brunch de domingo

Domingo...  dia de preguiça... acordar mais tarde... o que combina com isso? Brunch!

Aproveitando a ideia de requeijão de ricota do  Gulosoesaudavel.com.br, a de pimentão com cream cheese do Yeswecooking.com e um ovo mexido com quinua (esse eu fiz na hora mesmo).

As torradas foram industrializadas mesmo.... domingo... preguiça, vai?





Para o requeijão de ricota:
Ingredientes:
500 gramas de ricota (fresca, picada em pedaços pequenos)
1 xícara de leite desnatado (fervente)
1 colher (sopa) de azeite
sal (a gosto)

Bata todos os ingredientes no liquidificador, na velocidade máxima, por 4min. Em seguida, reduza para a velocidade mínima por 1min.

Para a geleia de pimentão
Ingredientes
2 pimentões vermelhos sem pele (links para quem não sabe tirar a pele do pimentão)
4-5 colheres (sopa) de açúcar
100ml de água
1 pitada de sal

Pique os pimentões em tiras médias. Coloque todos os ingredientes em uma panela (fogo médio) e mexa de vez em quando, até o líquido na panela estar mais espesso - no meu caso, tirei do em ponto de calda fraca (é possível deixar em outros pontos... a gosto...link para quem tem dúvidas sobre como funcionam os pontos de doce)

Para a geleia de pera
Não mencionei lá em cima, mas também fiz uma geleia de pera (tinha várias na geladeira e, para não estragar, optei por fazer a geleia para este brunch)

Ingredientes
3 peras portuguesas (cortadas ao meio e descascadas e molhadas em  3 colheres (sopa) de vinagre, para não oxidar)
3 colheres (sopa) de açúcar
100ml de água
1 pitada de sal

Assim como com os pimentões: leve todos os ingredientes ao fogo e mexa de vez em quando. Quando as peras estiverem bem cozidas, amasse-as (grossamente) com as costas da colher. Deixe acabar de cozinhar até o líquido chegar ao ponto desejado (no meu caso, também ponto de calda mole);

Por fim, para os ovos mexidos com quinua
2 ovos
30-40g de quinua cozida (em água)
3 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
1 colher (sopa) de manteiga

Misture bem os ovos, a quinua e o queijo. Em uma frigideira anti-aderente, derreta a manteiga (vale ressaltar que a manteiga, aqui, é apenas para dar gosto) e despeje a mistura. Deixe cozinhar, mexendo com a colher até que todo o ovo esteja cozido, mas ainda macio.

Para enfeitar... umas folhas de chicória...
e bom apetite (e bom domingo!)