viernes, 30 de septiembre de 2011

Focaccia

Normalmente, quando encontro um blog de comidas que me interessa, eu dou uma olhada em todo o histórico de receitas e vou separando as que quero fazer. Muitas receitas entram na lista das que eu quero fazer no longo prazo, mas tem umas que eu fico com vontade de fazer logo. Foi o que aconteceu quando vi a focaccia, do NaBiroskinha.


Como eu já tinha familiaridade com a massa da receita e tinha todos os ingredientes em casa (pelo menos para os meus planos iniciais), a focaccia saiu furando fila de receitas e entrou na ordem do dia.


A semelhança entre a focaccia e a pizza é grande - o que me motivou a procurar alguém que definisse o que é cada uma. Segundo a Andrea Vieira, na Gazeta do povo, a diferença seria que “a focaccia é um pão com um pouco de cobertura sobre ele, a pizza é uma cobertura com um pouco de pão”.


Outra informação interessante que encontrei foi que as coberturas mais tradicionais são: azeite, sal grosso e alecrim ou sálvia (dois temperos que me fazem lembrar bastante do meu avô).


Essas pesquisas (especialmente a lembrança do meu avô) me fizeram mudar meus planos: Saí para comprar alecrim e decidi fazer uma focaccia mais clean.


Outras informações interessantes que apareceram sobre a focaccia foram:

  1. Gazeta do povo e o LaCucinetta recomendam servir com a massa ainda recém-assada (bem, toda massa fermentada, quando está recém-assada é muito melhor - mas já que nesse caso tem recomendação expressa, a gente segue);
  2. A massa normalmente tem 2cm de altura;
  3. As ervas (alecrim ou sálvia) não são colocadas sobre a massa na hora que a massa vai assar, mas na metade do tempo de forno (para evitar que elas queimem);
  4. Ninguém diz isso explicitamente, mas somando as várias informações, conclui que outras coberturas podem ser colocados também nessa pausa da metade do tempo de forno;
Depois de todas essas (e outras) pesquisas, acabei fazendo a seguinte massa:

Ingredientes
2 colheres (sopa) de açúcar
1 envelope de fermento biológico
2 colheres (sopa) de manteiga (em temperatura ambiente)
pitada de sal
300g de farinha
200ml de água morna (lembrando que não necessariamente toda essa água será usada)
sal grosso (1 colher de sopa, aproximadamente)
cebola (1 cebola, pequena, cortada em rodelas finas)
alecrim (4-5 galhos - usei apenas as folhas, para deixar claro)
azeite

Preparo
Misture o fermento biológico o açúcar, o sal, a manteiga e um pouco da farinha. Coloque um pouco da água morna (enfatizo a importância de colocar a água aos poucos! sempre!).

Deixe crescer por alguns minutos.

Incorpore o restante da farinha, misturando a água morna (aos poucos!). Misture água até a massa formar uma bola única, que se solta da mão com facilidade (mas nem por isso uma massa pesada).

Cubra com um pano e deixe crescer por mais 1h (aproximadamente).

Abra a massa e coloque-a em uma forma coberta com papel manteiga untado com azeite. Deixe descansar por mais 10min.

Faça furos na massa com os dedos (sem furar/rasgar).

Polvilhe sal grosso sobre a massa, arranje as rodelas de cebola e e leve para assar (em forno médio, pré-aquecido) por 15min.

Abra o forno, coloque as folhas de alecrim (embebidas em um pouco de azeite) sobre a massa e deixe a massa assar por mais 10-20min (até ficar dourada por cima).

Sirva a massa recém-assada (fica muito bom com fatias de mussarela).


jueves, 29 de septiembre de 2011

Torta folhada de ricota e cebolinha


Dia desses, no facebook, uma amiga lançou a pergunta: "como fazer a ricota ficar gostosa" (na verdade, a pergunta foi como fazer a ricota ficar comestível.... mas eu prefiro quando ela fica gostosa mesmo). Chalenge accepted (ou missão dada é missão cumprida)!!!

 x 

Temperei uma ricota ralada com cebolinha e assei em uma massa folhada. Claro que não estou considerando as calorias da massa folhada (o desafio era apenas 'deixar a ricota gostosa') e nem estou considerando que não poderia colocar sal (isso é preocupação para os hipertensos) ou azeite.

Ingredientes:
300g de massa folhada
500g de ricota
cebolinha picada (usei apenas a parte verde de 2 maços - a parte branca, reservei para fazer outra receita)
sal, pimenta do reino, azeite a gosto

Como já disse outras vezes aqui, prefiro comprar a massa folhada pronta. O preparo da massa folhada é simples, mas muito chato (na minha opinião).

Cubra uma forma (untada com manteiga) com folhas da massa folhada. Leve ao forno até que a massa comece a apresentar algumas bolhas.

Enquanto a massa assa, rale a ricota e misture com a cebolinha picada, o sal e a pimenta do reino. Misture bem para que a ricota pegue o gosto dos outros ingredientes.

Quando a massa estiver apresentando algumas bolhas, coloque o recheio de ricota, cubra com mais massa folhada e leve ao forno até que a massa fique dourada.

Como não fiz bem a distribuição da quantidade da massa embaixo do recheio e da massa em cima do recheio, coloquei algumas fatias de mussarela entre o recheio e a parte superior da massa para evitar que a ricota secasse no forno.

(a massa que coloquei na parte de cima acabou não corando tanto quanto eu gostaria, mas ficou cozida - tive que desligar o forno antes que as bordas da massa queimassem).

martes, 27 de septiembre de 2011

Ceviche


Ceviche (ou seviche, ou cebiche) é um dos pratos mais gostosos que já comi na vida. Basicamente, consiste de peixe picado, com cebolas e pimenta, cozidos quimicamente em sucos cítricos. É um prato bem leve e saboroso, cuja origem é disputada por Equador e Peru - mas hoje em dia, muitos países nas Américas já produzem (até aqui no Brasil é possível encontrar restaurantes que servem).
Como eu já vinha querendo fazer ceviche há algum tempo, pesquisei em vários endereços e aponto algumas referências aqui: NaBiroskinhaObaGastronomiaTudoGostosoQvinhoJamie Oliver. Desses, recomendo especialmente os dois primeiros: o  NaBiroskinha tem explicações muito boas e o ObaGastronomia tem fotos do passo a passo.

Para meu ceviche, utilizei:
suco de 5 limões
suco de 1 tangerina
raspas da casca da tangerina e de um dos limões
500g de peixe cortado em tiras (recomendo salmão fresco e um peixe branco fresco)
1 cebola roxa (média) cortada (finamente) em meia lua
azeite, salsinha e pimenta (picadas finamente) e sal (todos os quatro a gosto)

O preparo consiste, basicamente, em misturar todos os ingredientes e deixar o peixe marinar por, pelo menos, duas horas (se possível, deixe de um dia para o outro na geladeira, de preferencia).

A acidez do suco do limão e da laranja fará com que o peixe cozinhe quimicamente (repare que a cor do peixe, nas fotos, é diferente da cor de um peixe cru).

Na hora de servir, retire o caldo excedente e sirva ainda gelado (se quiser, acompanhado de uma salada). Tradicionalmente, ceviche é servido em taças como uma entrada - fã confesso, não me importo em comer como prato principal.


miércoles, 21 de septiembre de 2011

Torta folhada de nozes e damasco


Há muitos anos eu gosto de cozinhar. Acho divertido mesmo! Ainda assim, existe uma série de coisas que eu acho melhor comprar a versão industrializada - entre elas, a massa folhada (até já comentei sobre isso aqui). Nada contra quem tem ânimo para preparar massa folhada, mas eu, normalmente, não tenho.

Estava com ideia de fazer esta receita com uma base de massa folhada com um toque crocante e creme de damasco (aliás, é o mesmo creme que uso para fazer pavê de damasco - caso alguém queira tentar, já adianto que fica bom)


Para a massa:
300g de massa folhada (no meu caso, industrializada)
15 nozes (picadas grossamente)

No pacote de massa folhada que comprei, vieram 3 blocos de massa dobrados - SEM PAPEL ENTRE ELAS (informação importante). Utilizei dois desses blocos (o que equivale, aproximadamente, a 300g de massa).

Coloque as nozes entre os blocos de massa e, com o auxílio de um rolo de cozinha, abra a massa. Esse processo fará com que as nozes sejam incorporadas à massa (como mostra a foto ao lado) - utilize um saco plástico (o que veio embrulhando a massa, por exemplo) para auxiliar (de forma que a massa não grude no rolo, nem na superfície onde ela será aberta).

Arranje a massa em uma forma (forrada com papel manteiga) e leve-a ao forno médio por, aproximadamente, 20min.








Enquanto a massa assa, prepare o recheio.

Ingredientes:

1 lata de leite condensado
7 damascos secos (picados em fatias)
1 lata de creme de leite (sem o soro)
1/2 colher (sopa) de manteiga


Leve os damascos, o leite condensado e a manteiga ao fogo. Mexa até obter um ponto de brigadeiro (no youtube há vários vídeos sobre como fazer brigadeiro. Achei este aqui didático). Quando atingir o ponto de brigadeiro, desligue o fogo e misture o creme de leite sem o soro.

Quando o recheio estiver pronto, a massa já deverá estar começando a mostrar algumas bolhas no forno (considerando que se passaram, aproximadamente, os 20min mencionados anteriormente).

Despeje o recheio sobre a massa e re-coloque a forma no forno. Asse até que a massa fique dourada. Sirva frio.

Vale a pena reforçar o cuidado ao lidar com doces (especialmente os cremosos): queimaduras causadas por doces e cremes tendem a ser fortes e sérias!


lunes, 19 de septiembre de 2011

Lombo com purê de maçã e ervilhas

Sei que já publiquei esta receita de lombo com purê de maçã com ervilhas, mas se tem uma combinação que empolga, é esta!

Para o lombo
1 peça de lombo (de aproximadamente 500g)
suco de 2 limões
páprica picante
sal (a gosto)

Tempere o lombo com o sal e a páprica. Esquente bem uma frigideira anti-aderente e doure a toda a superfície do lombo. Esse processo é conhecido como selar a carne: evita que a carne perca umidade quando for ao forno (importante frisar que não se deve furar a carne - nem antes, nem depois de selar - pois furos farão com que a carne perca umidade).

Arranje o lombo selado em uma assadeira, acrescente o suco dos limões e leve ao forno por aproximadamente 40min (ressaltando a importância de cozinhar bem a carne de porco).

Retire a carne do forno e reserve-a por alguns minutos antes de fatiar (lembre-se: a carne precisa descansar).

Enquanto a carne está no forno, prepare o purê de maçãs:

Ingredientes:
4 maçãs
suco de 1 limão
gengibre (aproximadamente 1cm ralado)
sal (a gosto)

Corte as maçãs ao meio, retirando as sementes (deixe as maçãs cortadas em uma mistura de água com vinagre para evitar que elas oxidem). Rale as maçãs (no sentido da polpa para a casca: ralando nesse sentido, a polpa será ralada e a casca deverá ficar quase inteira na sua mão. Obs: cuidado para não ralar as mãos).

Leve todos os ingredientes (maçã ralada, gengibre ralado, suco de limão e sal) em uma panela em forno médio e misture até ficar com consistência de purê.


As ervilhas dispensam maiores explicações: basta levar aproximadamente 100g de ervilha (da congelada sempre; da em lata, em conserva, nunca) ao fogo, com meia colher (sopa) de manteiga e uma pitada de sal. A ervilha cozinha em poucos minutos.

Em um prato, arranje porções do purê, de ervilhas e fatias do lombo (fatiado após descansar). E bom apetite.


domingo, 18 de septiembre de 2011

Vendo muito top chef...

Top chef é um daqueles programas que eu vejo em sequência sem dificuldade nenhuma. E não vejo para ficar testando as receitas do programa (devo ter feito no máximo umas duas receitas), vejo mais pelas ideias dos desafios mesmo. Sempre me pego raciocinando em que prato eu faria se tivesse, por exemplo, que fazer uma sobremesa nas cores preto e branco, ou se tivesse que propor uma reformulação saudável pra um sloppy joe's.

O prato da foto foi meu desafio 'como fazer comida com as coisas que estão na geladeira e com uma apresentação legalzinha.

No caso foi um filé acompanhado de cebola tostada, brócolis ao alho, redução de vinagre balsâmico e uvas. Como o trabalho todo ficou na preparação (e não na receita) e como eu não tenho muito jeito para fazer vídeos, abaixo vão dicas de preparo (em inglês) de carne e de redução de vinagre balsâmico:

Como fazer carne:


Redução de balsâmico


martes, 13 de septiembre de 2011

Quibe de carne assado

Depois que mudei de BH que eu descobri a influência sírio-libanesa na formação da cidade. Enquanto lá comida árabe é relativamente fácil de achar, aqui não é tão comum.

Um exemplo emblemático para mim são os quibes. Em BH, existem quibes para vender em qualquer cantina (não que todos os quibes vendidos na cidade sejam bons - apenas são fáceis de achar), aqui já vi quibes à venda em 2 ou 3 estabelecimentos.

Para matar um pouco a saudade, resolvi fazer um quibe assado de carne.
Ingredientes
250g de trigo
400-500ml (aproximadamente) de água quente
500g de carne moída
2 cebolas (pequenas) picadas em tiras
2 dentes de alho (amassados)
algumas folhas de hortelã (picadas)
suco de 1 limão
sal, pimenta e outros temperos a gosto

Preparo:
Misture o sal, a pimenta com o trigo. Hidrate o trigo com a água quente e reserve (o ideal é reservar por 1h, mas como a correria não permitiu, deixei apenas 30min).

Tempere a carne com as cebolas e o alho.

Misture a carne e o trigo, acrescentando as folhas de hortelã (picadas em pedaços bem pequenos) e o suco de limão.

Arranje a mistura em uma forma (no meu caso, coloquei papel manteiga e passei um pouco de azeite sobre o papel), regue com um pouco de azeite por cima e leve ao forno até ficar dourado por cima (no meu forno, foram aproximadamente 30min).

Sirva com azeite, tiras de limão e folhas de hortelã.

Observações:

  1. Não coloque uma proporção de água que supere 2x a quantidade de trigo - ele fica empapado e o resultado não fica tão bom;
  2. Algumas receitas recomendam escorrer o excesso de água do trigo hidratado (eu prefiro colocar um pouco menos de água, para que não haja excesso);
  3. Opte por uma carne mais limpa (que tenha pouca gordura/nervos);
  4. Essa massa de trigo pode ser frita em vez de assada (prefiro assada: dá menos trabalho e pesa menos na consciência);
  5. É possível rechear a massa com carne moída pronta, ou coalhada seca....
  6. É possível colocar tahine na massa;
  7. Nas fotos dos pratos, essa mancha de gordura é azeite (tentei fazer um desenho, mas não ficou bom na foto);
  8. Para quem está em BH, recomendo o Empório árabe e delikatessen d'hana (propaganda gratuita porque era meu lugar favorito de comida árabe na cidade);
  9. Por fim, um link de receita de quibe com várias imagens do processo: DonaPerfeitinha



sábado, 10 de septiembre de 2011

Ninhos de macarrão

Esta ideia fantástica de fazer ninhos de macarrão veio do Panelaterapia - eles realmente ficam gostosos e realmente são fáceis de fazer.

Eu tive um problema, no entanto: não segui completamente as instruções da receita e acabei cometendo um erro de execução (a parte interna de alguns dos ninhos não cozinhou perfeitamente).

Assim, já coloco a receita com correções, mas enfatizo que as correções são em relação ao meu teste e não em relação à receita do Panelaterapia. Se ficar inseguro em usar essa receita que escrevi corrigindo, dê uma olhada nos passos do  Panelaterapia - é uma metodologia diferente que parece ter funcionado bem.


Ingredientes:
6 ninhos de talharim (no supermercado, normalmente o talharim já é vendido nesse formato e, em algumas embalagens, isso até já vem escrito)
1 lata de tomates (pelados)
1 cebola média (picada em tiras finas)
alho, salsão e outros temperos a gosto
50-100g de ervilhas congeladas (opcional)
3 azeitonas (opcional)
6 colheres de requeijão
queijo parmesão (para polvilhar)

Preparo
Comece fazendo um molho de tomates:
Refogue a cebola, o alho, o salsão e os outros temperos. Acrescente água e os tomates e deixe o molho cozinhar até os tomates desmancharem.
A parte importante aqui é não deixar o molho secar demais. Meu erro de execução nesta receita foi justamente aí. Como mostra a foto ao lado, meu molho secou bastante e, com isso, não penetrou totalmente nos ninhos de macarrão e o interior de alguns dos ninhos não cozinhou perfeitamente.

Quando o molho estiver pronto, verifique o sal (acerte, se necessário) e deixe-o esfriar.

Lambuze (bem) os ninhos de talharim em molho (frio/morno) e ajeite-os em uma forma. Deixe descansar por algumas horas (ou do dia para a noite). Esse é outro passo que sugiro para evitar que a parte interna dos ninhos não cozinhe (apenas lembrando, é com essa metodologia de montar massa e molho que eu costumo fazer lasanha e, normalmente, não dá problema).

Coloque uma colher de requeijão por cima de cada um dos ninhos e leve-os ao forno, pré-aquecido, por alguns minutos.

Quando os ninhos já estiverem cozidos, ajeite um pouco de ervilhas (ainda congeladas e/ou azeitonas) por cima. Leve por alguns minutos ao forno para que as ervilhas descongelem (isso normalmente é rápido). Sirva com queijo parmesão e uma salada.

Substituições:
  • Se quiser ter menos trabalho, em vez de usar os tomates enlatados, use um molho de tomates industrializado (só pra constar, prefiro os tomates enlatados);
  • Na receita original, do Panelaterapia, foram usados rolinhos de presunto e queijo em vez das ervilhas e azeitonas (optei por ervilhas e azeitonas porque elas dariam um aspecto mais parecido com um ninho ao prato final).


viernes, 9 de septiembre de 2011

Frango assado ao molho de laranja e mostarda

Pode parecer estranho para quem não está acostumado com a combinação, mas frango e  cítricos foram feitos um para o outro.

Aliás, uma das minhas receitas favoritas de frango assado é justamente com limão: Frango com limão, assado no casulo de sal grosso e erva-doce em frango (do Oliver: é daquelas receitas que impressionam os amigos - tanto pelo gosto, quanto pela montagem.... afinal de contas, quebrar um casulo de sal grosso e retirar de lá um frango assado não é uma imagem que as pessoas veem todos os dias).

Mas... o frango em questão agora é foi assado com laranja e mostarda.

Ingredientes
frango (confesso meu fraco pelas sobrecoxas)
suco de duas laranjas (pera rio) grandes
2 colheres (sopa) de mostarda (usei da dijon, com grãos de mostarda)
sal, pimenta do reino e outros temperos (a gosto)

Em um saco plástico, misture o suco de laranja, a mostarda e os outros temperos. Lambuze o frango nessa mistura e deixe-o marinando (apenas para constar, não recomendo furar a carne porque isso faz com que ela perca umidade natural).

Também é possível deixar o frango marinando em uma vasilha ou na própria forma em que ele será assado (mas isso, dependendo do tamanho da sua geladeira, implica em mais vasilhas para lavar depois).

Depois de marinado (no meu caso, o frango ficou da noite para o dia marinando), arranje o frango em uma forma (com a pele virada para cima para que o frango fique mais macio e úmido) e cubra a forma com papel alumínio.

Leve para assar, em forno pré-aquecido e mantenha o papel alumínio até o frango estar bem cozido. Em seguida, retire o papel alumínio (e mantenha o frango no forno) para que a pele fique dourada e crocante. Os tempos para assar o frango variam segundo o forno.

jueves, 8 de septiembre de 2011

Pão italiano recheado

Há alguns dias, saiu no Yes we cooking uma receita de Fondue de Gorgonzola no Pão Italiano e eu pensei 'tá aí uma grande ideia para meus impulsos panificantes'.

Fui atras de uma receita de pão italiano e acabei encontrando esta do TudoGostoso: não é uma massa muito diferente da massa de pão que eu faço normalmente (como já mostrado aqui, aqui e aqui), mas ela é resfriada antes de assar e na hora de ir ao forno, é colocada uma forma com água no forno (para formar vapor).

Testei a receita de pão italiano (que ficou pequeno porque dividi a massa) e parti para o recheio, seguindo a ideia do Yes we cooking de fazer um pão italiano recheado.

Infelizmente, eu estava sem gorgonzola em casa, então tentei um recheio mais à mão:

Ingredientes para um recheio de frango cremoso
200g de frango (picado em cubos)
2 cebolas
2 dentes de alho
1/2 lata de molho de tomate
salsão, salsa e outros temperos (a gosto)
4 colheres (sopa) de requeijão

Preparo
Refogue o frango com as cebolas, o alho e o salsão.

Deixe cozinhar e acrescente o molho de tomate.

Deixe cozinhar e acrescente o requeijão (é possível trocar o requeijão por creme de leite - a textura do frango com creme de leite fica melhor, mas prefiro o sabor do requeijão).

Também é possível trocar esse frango cremoso por um creme de cebola, ou um Fondue de Gorgonzola (como no Yes we cooking).

Montagem final
Corte uma tampa do pão italiano (já frio) e retire parte do miolo. Coloque o recheio e leve ao forno por alguns minutos para gratinar o recheio (também fica bom se acrescentar um pouco de parmesão ralado).

No meu caso, fiz um pão italiano piccolo (para ser comido individualmente). Se você optar por fazer um pão italiano em tamanho real (ou por comprar um pão italiano normal - como mostra a proporção desta foto do Clube da cozinha), acho bom servir para mais pessoas (como no Yes we cooking, por exemplo)


sábado, 3 de septiembre de 2011

Brownie recheado


Antes de mais nada, este post não é uma propaganda pro biscoito (a marca tá legível - acho - nas fotos). Sinceramente, achei que é um biscoito sem graça... mas como eu tinha comprado mais de um pacote, resolvi tentar um brownie recheado.

Se não tiver o biscoito, sugiro rechear com caramelos, ou balas toffee... acho que vai combinar


Ingredientes

100g de açúcar
150g de chocolate em pó (cacau 50%)
100g de farinha de trigo
2 ovos
3-4 colheres (sopa) de manteiga
1 pitada de sal
1 pitada de pimenta do reino
1 embalagem de biscoito recheado


Desta vez, tentei seguir mais à risca o processo do Cozinha Travessa, mas não achei que tenha valido a pena. O mais simples, e com resultado bem próximo, é:

Misture todos os ingredientes (com exceção do biscoito).

Em uma forma, forrada com papel manteiga, coloque uma camada da massa do brownie, uma camada de biscoitos (ou caramelos, ou outro recheio) e outra camada da massa do brownie.

Já adianto que o processo de espalhar a massa do brownie não é muito fácil (porque a massa gruda na colher), mas com um pouco de esforço, é possível.

Leve para assar, em forno médio-baixo, e asse por aproximadamente 30min (o recomendável, na verdade, é fazer o teste do palito: espete o brownie com um palito e retire-o; se o palito sair sem arrancar pedaços da massa, o brownie está pronto).

Já adianto que o biscoito não fica crocante (afinal de contas, ele é recheado, está envolto por camadas de massa e vai ao forno), mas a parte superior do brownie fica.

Da última vez que fiz brownies, falei que havia uma marca industrializada que dava resultados bons, sendo mais simples. Continuo acreditando nisso - o problema é que a caixinha do brownie industrializado mais qeu dobrou de preço nos supermercados que frequento (de forma que está compensando fazer a massa em casa).



viernes, 2 de septiembre de 2011

Macarrão à carbonara

Macarrão à carbonara não é uma receita que exige tempo para preparar. Não é uma receita que exige experiência e/ou prática na cozinha. É apenas uma receita que exige várias e várias horas na academia para balancear as calorias.

Ingredientes:
250g de macarrão (no meu caso, spaguetti)
50g de bacon
2 ovos
cheiro verde (no meu caso, salsão e cebolinha)
3 dentes de alho
sal (a gosto)
queijo parmesão ralado (a gosto)

Na verdade, as quantidades que escrevi nesta receita são apenas de referência. Os números e quantidades variam bastante de acordo com o gosto da pessoa (veja esta receita do TudoGostoso, por exemplo, que nem menciona quantidades).

Coloque o macarrão para cozinhar (colocando o alho na água do cozimento, para dar gosto à massa). Como já falei sobre cozimento de macarrão outro dia, não vou repetir tudo.

Enquanto o macarrão cozinha, pique o cheiro verde e reserve. 

Bata os ovos em uma vasilha separada e reserve.

Rale o bacon (para ficar com pedaços bem pequenos e com o gosto bem espalhado no prato) e frite-o (não é necessário acrescentar qualquer tipo de gordura e, se o bacon estiver muito gorduroso, é possível até escorrer um pouco da gordura depois de fritá-lo).

Quando a massa estiver cozida, a seguinte operação tem que ser bem rápida:
Acabe de fritar o bacon e desligue a panela.
Misture o cheiro verde ao bacon.
Escorra a massa e a misture ao bacon (na panela - já desligada, mas ainda quente)
Jogue os ovos batidos por cima da massa e misture de forma a espalhar bem o bacon, o cheiro verde e os ovos à massa.

Já estou imaginando a Fer dizendo que não come ovo cru, então adianto que os ovos cozinham com o calor da massa (e, no meu caso, da panela em que o bacon fritou).

Polvilhe queijo parmesão por cima.

Depois disso: academia!

jueves, 1 de septiembre de 2011

Rosca de côco

 Acho que esta foi a massa mais fofinha de todas as que eu fiz nos últimos tempos!

Um tempo atrás, escrevi sobre uma massa minha que não queria crescer. Minha irmã leu e me mandou um mail com algumas dicas para quando isso acontece e uma receita dela.

Peguei parte da receita, parte das dicas e fiz esta rosca.

Comece fazendo um 'brigadeiro gourmet de coco' (nomenclatura da Fer)
Ingredientes:
1 lata de leite condensado
1/4 de garrafa de leite de coco

Misture os dois ingredientes e leve (em uma panela), em fogo médio, misturando constantemente (para não queimar) até que a massa se solte do fundo da panela

Retire esse brigadeiro da panela (coloque-o em um prato) e reserve-o para que ele esfrie.



Ingredientes para a massa:
1 envelope de fermento biológico
600g de farinha de trigo
1 colher (café) de sal
2-3 colheres (sopa) de açúcar
1/2 vidro de leite de coco
1 colher (chá) de manteiga
1 ovo

Preparo
Misture: metade da farinha de trigo (300g), o fermento biológico, o açúcar, o sal e a manteiga.
Aqueça, levemente, o leite de coco e misture-o à massa.
Incorpore o ovo à massa e acrescente farinha aos poucos (não necessariamente você utilizará todos os 600g de farinha) até que a massa esteja lisa e uniforme, soltando da mão (e leve).
Deixe a massa descansando, para que ela possa crescer (espere até ela dobrar de tamanho).

Quando a massa já tiver dobrado de tamanho, abra-a em uma superfície enfarinhada.


Espalhe o brigadeiro gourmet em um canto da massa - de modo que seja possível dobrar a massa sobre si própria, de modo a evitar que o brigadeiro vaze quando a massa for ao forno (não funcionou no meu caso, mas não custa tentar).
 Enrole a massa, formando uma rosca (não há uma fórmula correta sobre como dobrar essa massa, dobre-a como achar mais bonito. Como essa massa ficou bem leve e maleável, foi possível até fazer tentativa e erro algumas vezes).
 Leve para assar, em forno médio, por aproximadamente 40min (na verdade, quem determina o tempo é o forno).

Para dar uma dourada a mais, pincelei a massa com uma mistura de vidro de leite de coco, leite condensado e uma colher (de café) de glucose de milho.



Na parte superior direita da foto, dá pra ver um pouco do recheio que vazou (e queimou um pouco) no forno. Não queimou a ponto de comprometer o gosto e, portanto, não vi problema em deixar a foto assim mesmo.